segunda-feira, fevereiro 28, 2005

uma questão de tapete

Apesar das reclamações não vou escrever sobre a noite de ontem - sobre a cerimónia dos Óscares (o que é que estavam a pensar?).
Há questões nas quais não me meto mas, pelas experiências do passado, recomendo-vos uma autoridade na matéria (para além de outras autoridades que vão postando por aqui).
Assim até dá gosto ir ao tapete.
CA

Ainda as TM's e as MA's

Considero muito pertinente o último Post da CA.
Lembrou-me, vá-se lá saber porquê, o Mário Mata, famoso nos idos 80. Descobri por acaso que ainda existe e que até tem um blog! Um bocado desactualizado, é verdade, mas vale a pena dar uma espreitadela.

JB

entre tostas mistas e maçãs assadas

Há dias de manhã
em que um homem à tarde
não pode sair à noite
nem voltar de madrugada
Grande piada!

CA

gostava mesmo

... de perder esta capacidade de me surpreender a mim mesma.
[é que às vezes assusto-me]

CA

Merecido!

Ontem, tentei dormir uma boa sesta para ver os Óscares, mas o João Pestana levou a melhor... Vendo agora a lista dos laureados fico contente por "Mar Adentro" ter ganho o Óscar de melhor filme estrangeiro. Segundo o realizador: «Este filme é sobre um homem que, apesar de ter desejado a morte, espalhou tanta vida em seu redor». É verdade, sim senhor!

JB

resquícios do fim de semana?

- Está muito calor aqui dentro, não achas?
- Sim, lá fora está muito frio!

JB

selon les jours

Em resposta a JB (depois do post sobre o Rodrigo), agradecendo à Sala de Fumo o devaneio matinal:

L'amour, hum hum, pas pour moi,
Tous ces "toujours",
C'est pas net, ça joue des tours,
Ça s'approche sans se montrer,
Comme un traître de velours,
Ça me blesse, ou me lasse, selon les jours

L'amour, hum hum, ça ne vaut rien,
Ça m'inquiète de tout,
Et ça se déguise en doux,
Quand ça gronde, quand ça me mord,
Alors oui, c'est pire que tout,
Car j'en veux, hum hum, plus encore,

Pourquoi faire ce tas de plaisirs, de frissons, de caresses, de pauvres promesses ?
A quoi bon se laisser reprendre
Le coeur en chamade,
Ne rien y comprendre,
C'est une embuscade,

L'amour ça ne va pas,
C'est pas du Saint Laurent,
Ça ne tombe pas parfaitement,
Si je ne trouve pas mon style ce n'est pas faute d'essayer,
Et l'amour j'laisse tomber !

A quoi bon ce tas de plaisirs, de frissons, de caresses, de pauvres promesses ?
Pourquoi faire se laisser reprendre,
Le coeur en chamade,
Ne rien y comprendre,
C'est une embuscade,

L'amour, hum hum, j'en veux pas
J'préfère de temps de temps
Je préfère le goût du vent
Le goût étrange et doux de la peau de mes amants,
Mais l'amour, hum hum, pas vraiment !

Carla Bruni, 2002, Quelqu'un m'a dit, L'Amour

CA

importa-se de repetir? (III)

Luís Filipe Menezes, Público, 28/02/2005
CA

2ª feira

Cheira-me que esta semana vai ser muito interessante.

[embora o olfacto não seja o mais apurado dos meus sentidos]

CA

a planta

Lembras-te da planta que plantámos juntos?
Sim, aquele rebento pequenino que cresceu até ser da nossa altura, se encheu de folhas, de verde, de vermelho?
Gostava que te lembrasses.
A planta já não era a mesma, sabes.
Não morreu completamente, é certo.
Mas tinha agora um aspecto desmembrado, disforme, sem graça.
Tentei. Juro-te que tentei salvá-la do atroz sofrimento de deixar de ser o centro da sala. Reguei-a, podei-a e mimei-a o quando pude. Se calhar mais que aquilo que podia.

Ontem dei o golpe de misericórdia. Provavelmente doeu-me mais a mim que a ela. Certamente doeu mais a ela que a ti.
Deitei-a fora.
Acabei assim com a única coisa viva que ainda nos ligava.
Não gosto de ter cadáveres na sala.

Um destes dias, já falta pouco, vou arranjar uma planta nova.
Só para que saibas.

CA

sexta-feira, fevereiro 25, 2005

Cinema

Decididamente, gosto do Rodrigo Leão! Depois dos Madredeus, do projecto "Os Poetas - entre nós e a as palavras" e da inesquecível Pasión, rendi-me completamente à faixa "Jeux d'Amour" do último trabalho dele. É de uma doçura espantosa. E eu gosto de músicas assim!

Coeur, tu es tellement fou
tais-toi, mon coeur perdu

je n'ai plus rien
q'un seule désir

laisser mon rêve
d'amour partir

viens, mon p'tit bateau
flotte, comme un berceau

je veux seulement oublier
emballe-moi sous les nuages
doucement vient le soleil
bonheur aprés l'orage

d'amour
toujours
les jeux
d'amour

coeur, fait ton chemin
oublie, tous les chagrins

l'amour est beau
il est partout

il faut chercher
rêver, surtout

viens, encore une fois
prends moi dans tes bras

je veux seulement oublier
emballe-moi sous les nuages
doucement vient le soleil
bohneur aprés l'orage

JB

apetecia-me

Muito de vez em quando até me apetecia estar em Lisboa.
Estar lá amanhã se calhar era boa ideia.

Pois, mas parece que já está esgotado.
A ver vamos se por cá também se encontra ópera ou, pelo menos, algum malandro.

CA

quinta-feira, fevereiro 24, 2005

post mortem (versão revista e aumentada)

Como tolero igualmente mal elogios e críticas, abstenho-me de reproduzir as sugestões que recebi de frases a escrever na minha lápide. Agradeço-as e registo-as.

E já agora - para o perguntador de serviço - mais que "been there done that" opto por um "choses where to be, what to do and how to do it". Mais positivo e menos pretérito, se faz favor. Topas?

CA

Fogo sobre terra

A gente às vezes tem vontade de ser
Um rio cheio pra poder transbordar
Uma explosão capaz de tudo romper
Um vendaval capaz de tudo arrasar

Mas outras vezes tem vontade de ter
Um canto escuro onde poder se ocultar
Um labirinto onde poder se perder
E onde poder fazer o tempo parar

Vinicius de Moraes in Poesia completa e prosa: "Cancioneiro"

CA

post mortem

- O que é que querias que escrevessem na tua lápide?

Nunca pensei nisso, pelo menos até ao momento da pergunta.

Acho que encontrei a resposta.
Estou-me absolutamente nas tintas para o que escrevam.
Não vou estar cá para ver.

CA

desabafos matinais

há gente que acorda assim

ou assim


gostava. mas ainda não acordei.

CA

quarta-feira, fevereiro 23, 2005

Foi hoje



Nasceu a nova mascote do fabuloso mundo animal paralelo! Está bem de saúde mas a mãe ovelha escolheu mal o dia... chove que se farta por terras lusas.

JB

importa-se de repetir? (II)

Marques Mendes quer PSD afastado da «direita populista»

CA

importa-se de repetir? (I)

«Irão não é o Iraque»
declarações de GW Bush em Mainz

CA

se me é permitida opinião

O Marques Mendes parece-me bem.
É um homem à altura do partido.

CA

na medida certa

Há pessoas fanásticas que, na medida certa, já pensaram e disseram, muito melhor que eu penso ou digo, aquilo que sinto.

"Ante a perspectiva da partida
Sinto que me arranca algo da vida
Mas quero ir. E ponho-me a pensar

Que a vida é esta incerteza que em mim mora
A vontade tremenda de ir-me embora
E a tremenda vontade de ficar."

Vinicius de Moraes, in Poesia completa e prosa: "Poesias coligidas"

Eu vou ficando. Até ver.

CA

terça-feira, fevereiro 22, 2005

ele há senhoras

que hoje fariam 72 anos

fica um cheirinho

CA

Ciência infantil

As crianças também nos dão lições. Este fim de semana aprendi com um menino de 5 anos que bastam 30 segundos no micro-ondas para dois telemoveis ficarem transformados num meteorito. Aposto que também não sabiam!

JB

mensário

o descontextos já tem um mês.
cadê as prendas?

CA

pequenas coisas, coisas pequenas

(embora também fosse possível) esta não vem na sequência da conversa que tive, um destes dias, sobre a importância do(s) tamanho(s), seja(m) ele(s) altura(s), largura(s) ou comprimento(s).

(embora também fosse possível) esta não vem a propósito do fantástico seminário em que participei, há uns anos em Maastricht, sob o sugestivo tema "Does size matter?" onde se falou basicamente das estratégias a adoptar pelos países pequenos no contexto das negociações com as instituições comunitárias.

De facto há pequenas coisas, coisas muito pequenas, banais e mesmo ridículas, que podem alterar de forma substancial um estado de espírito.

Ontem quando cheguei a casa encontrei na caixa do correio um cupão de desconto de 18€ na próxima compra na minha loja favorita.

Ontem quando cheguei a casa voltei a ter um silêncio imenso.

Ontem quando cheguei a casa liguei a televisão (depois da reportagem "o primeiro ministro que veio de Castelo Branco montado num jerico", dos choros no largo do Caldas e do ranger de dentes de PSL) tive direito, em promoção, a um episódio dos Friends (datado da guerra de catorze) e outro do Will and Grace. Um mimo.

Ontem, quando cheguei a casa, senti-me imensamente feliz por voltar e imensamente infeliz porque cada regresso implica também uma partida.

Hoje, quando saí de casa, esconjurei três vezes o excesso de medidas de segurança, uma vez por cada solicitação do bilhete de identidade.

Hoje recebi esta
tudo ficou melhor outra vez.

CA

segunda-feira, fevereiro 21, 2005

Back to basics...

A participação dos portugueses no acto eleitoral de ontem constituiu um sinal forte de consciência cívica. Constituiu, em primeiro lugar, uma aceitação sem reservas da decisão de Jorge Sampaio de dissolução da AR. A direita populista que nos (des)governava não percebeu que nesse dia, provavelmente ainda mais do que hoje, uma esmagadora maioria de portugueses - de direita ou de esquerda - suspirou de alívio. Decidiu a ex-maioria adoptar a tese da cabala: Sampaio, os banqueiros, os jornalistas esquerdistas (como José Manuel Fernandes...) e esses traidores, reputados trotskistas e membros da "brigada do reumático da IIIa República" que são Cavaco Silva, Freitas do Amaral, Manuela Ferreira Leite, Pacheco Pereira e outros, tinham-se juntado num conluio sem precedentes para barrar a via messiânica que nos era prometida pela dupla Santana-Portas!
Quer-me parecer que quem resiste a ver a realidade é sempre chamado a terra firme. A resposta dos portugueses foi dura e cabal. Não, Dr. Portas, a maioria dos portugueses não quer o seu modelo de sociedade, falsa democracia-cristã, misto de populismo e conservadorismo arcaico. Não, Dr. Santana a sua vitimização não funcionou, a campanha de calúnias e boatos também não; não chega para governar um país. Precisa-se de seriedade, de responsabilidade, de visão e de rumo. Visivelmente estes são conceitos que lhe são estranhos.

Ganhou, portanto, o PS com maioria absoluta. Finalmente dependemos apenas e só de nós próprios. Não haverá desculpas em caso de insucesso. Partimos com a vantagem de não ter feito promessas impossíveis de cumprir, mas com a desvantagem de, em muitos dos assuntos fundamentais para o país, não existir uma ideia clara das soluções que virão a ser propostas. Há agora que formar um governo de gente capaz, que dê garantias de uma boa governação.

O PSD de Santana e Durão (não, os portugueses não se esqueceram de si!) teve um péssimo resultado. Quem os visse na declaração final, pensaria provavelmente o contrário. Santana a atacar o Sr. Silva e a posicionar-se para não se deixar expulsar da liderança do partido sem contrapartidas. Chama-se a isto instinto de sobrevivência. Ou será falta de responsabilidade? Desejo força e coragem a Marques Mendes (um político com uma visão para Portugal) ou a outros sobreviventes do PSD-histórico para acabarem de vez com a bandalheira em que se transformou o maior partido da oposição.

Excelente resultado o do PC (que se transforma em CDU com os falsos verdes para as eleições). Jerónimo ultrapassou a imagem de dinossauro do leninismo e no seu jeito simples e honesto conseguiu, pela primeira vez desde há muito, estancar a hemorragia eleitoral comunista. Espera-se que depois de estancar se possa ganhar fôlego para reformar, certo?

O PP e o seu líder falharam em toda a linha. A minha única dúvida é se porventura os populares achavam mesmo que conseguiriam atingir os objectivos por eles próprios estipulados durante a campanha. Se a resposta é sim, devem com certeza viver noutro país ou quiça noutro planeta. Se a resposta é não, só me resta achar que a cena tragico-cómica da declaração de Adeus de Portas estava há muito preparada e revela alguma inteligência política em comparação com o associado PPD, boa capacidade de encenação e sobretudo muita falta de credibilidade. A tirada sobre os trostskistas e os democratas cristãos ficará para a História... Parece-me é que nem o PP é democrata-cristão, nem o BE é trostskista mas deve ser erro meu...

A subida do Bloco foi tremenda. Hoje não constitui um perigo para o PS mas se as coisas começarem a correr mal no governo -longe vá o agouro - os bloquistas poderão vir a ser os principais beneficiados. Por enquanto trata-se de uma força de protesto, inteligente, viva e demagoga. Quando chegar a altura de avançar com verdadeiras propostas de governo, aí sim veremos se as ideias light do BE ganham consistência e se se coadunam com a responsabilidade de governar um país.

Dos pequenos partidos não reza a História, mas deixem-me deixar uma palavra de apreço ao MRPP que mantém o seu eleitorado (malgré a fuga de um dos seus ex-militantes para Presidente da Comissão Europeia) e que revela por vezes uma maior coerência ideológica (aberrante é certo, mas coerente) que alguns dos electrões livres do BE.
Será que Sócrates se inspirou da grande máxima maoista e garcia-pereirista, antes de 20 de Fevereiro: Ousar Lutar, Ousar Vencer?

TS

governar e desgovernar

Presente do Indicativo
governo
governas
governa
governamos
governais
governam

Pretérito Imperfeito do Indicativo
desgovernava
desgovernavas
desgovernava
desgovernávamos
desgovernáveis
desgovernavam

CA

mission accomplished

Estou de volta do voto.
Três dias, uns milhares de kms, vários aviões e aeroportos depois.

A volta e o voto sabem bem.
Mesmo muito bem.

O regresso vem - como quase sempre - vestido de cinzento.
O voto, esse, tem outra cor
De que cor se veste a expectativa?

CA

Mudança de ciclo

"Conseguimos, conseguimos!"
José Sócrates

JB

sexta-feira, fevereiro 18, 2005

Até domingo



Cá vou eu a caminho da reflexão.
Espero regressar num aviãozinho menos laranja, azul e amarelo.
Quero um avião vermelho. Tipo Virgin, sei lá!

JB

Pinguins não gostam de suecas...

Relatava ontem a Lusa:

Pinguins homossexuais de zoo na Alemanha insistem em ignorar fêmeas
A chegada recente ao jardim zoológico de Bremerhaven (noroeste da Alemanha) de quatro pinguins fêmeas procedentes da Suécia falhou em produzir efeitos nos seis pinguins machos supostamente homossexuais, disse hoje a directora da instituição.
"Não houve nenhum contacto entre os antigos animais e os novos", chegados em finais de Janeiro, explicou Heike Kueck.
Seis dos dez pinguins machos do Zoo de Bremerhaven formam há muito tempo casais homossexuais e desinteressam-se completamente das quatro fêmeas presentes, o que levanta preocupações sobre a continuidade da espécie.
"Mandámos vir as quatro fêmeas de um zoo sueco porque, há dois anos, um casal de machos separou-se devido à chegada de uma fêmea", explicou a directora, cuja iniciativa suscitou ampla cobertura na imprensa alemã.
Além disso, desde a chegada das quatro fêmeas suecas, o jardim zoológico de Bremerhaven tem estado na mira de fortes críticas de associações de gays e lésbicas, segundo as quais o zoo pretenderia "modificar a orientação sexual" dos pinguins.
"Não estamos a forçar os animais, nem sequer se pode falar de uma experiência", defende-se a directora do zoo alemão. Segundo ela, os pinguins de Humboldt - a espécie a que pertencem os pinguins de Bremerhaven - estão "ameaçados de extinção, sendo por isso dever do zoo garantir a sua reprodução".

Os bichinhos podiam ser "bi", pelo menos, e aí já estava tudo resolvido!
Ou se calhar o problema é das suecas... Para a próxima têm de lhes arranjar umas "pinguinas" latinas!

BC

PSL :"un touche-à-tout instable et populiste"

Vale pena ler o "luso-retrato" eleitoral que vem na edição de hoje do La Croix .

JB

volto já

vou ali tratar disto e volto já.


CA

quinta-feira, fevereiro 17, 2005

sanidade mental: precisa-se

(recompensa-se quem a fornecer)

CA

Ele vem aí!

Bush dizia na semana passada, relativamente à sua vinda ao velho Continente: «Vou à Europa (...) para dizer: Ouçam, partilhamos muitos valores. Acreditamos na dignidade humana, nos Direitos do Homem. Acima de tudo, acreditamos que cada alma deve ser livre».

Amigo Bush, nós podemos partilhar muitos valores com a sociedade americana em geral, mas, consigo em particular, há algumas divergências!
Dignidade Humana e Direitos do Homem passam por :
- não haver Guantanamo;
- pela ratificação do Tribunal Penal Internacional;
- pela ratificação da Convenção Sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação Racial
- pela ratificação da Declaração dos Direitos das Crianças, de 20/11/1989 (assinaram mas ainda não ratificaram) ;
enfim... passa por mais coisas que apenas ler e pregar a Bíblia todos os dias!

Por isso, ainda bem que no dia 22 não estou em Bruxelas, pois poderia ter o azar de ver passar o seu cortejo numa das (muitas) artérias da cidade que vão estar vedadas ao trânsito, para Vexa circular "livremente", como a alma de cada um de nós!

JB

Mohamed Said al-Sahaf


Sócrates referindo-se a Santana Lopes:
«Faz lembrar aquele ministro da Informação do Iraque que, quando os tanques já estavam em Bagdad, ele ainda achava que estava a ganhar a guerra»

JB

Cada tiro, cada melro!

José Manuel Barroso foi em socorro do seu sucessor na liderança do partido e (infelizmente) do Governo e estalou a polémica em Bruxelas. As explicações da porta voz de Durão foram esforçadas mas não convencem ninguém. Principalmente quando a memória não é curta!

Ainda há quem se lembre do pedido feito pelo Presidente do Grupo do Partido Popular Europeu no PE, Pottering, para que Prodi (ex-presidente da Comissão) se demitisse por ter participado em reuniões partidárias em Itália, na fase final do seu mandato...

JB

quarta-feira, fevereiro 16, 2005

Comentários para quê?!

Santana Lopes atribui aumento do desemprego à dissolução do Parlamento


O presidente do PSD, Santana Lopes, atribui o aumento da taxa de desemprego à "instabilidade política que se vive desde Novembro", na sequência da dissolução da Assembleia da República.

O Instituto Nacional de Estatística (INE) anunciou hoje que a taxa de desemprego em Portugal aumentou no quarto trimestre de 2004 para 7,1 por cento, registando um novo máximo desde 1998, altura em que teve início a actual série estatística.

Lusa, PUBLICO.PT

PS- Mais valia ter ficado afónico como o Jerónimo...

TS

Debate II

O debate de ontem, como já era previsível, não teve nenhum vencedor claro, mas há a registar três perdedores:

O Jerónimo de Sousa perdeu a voz.

O Paulo Portas perdeu a oportunidade de estar calado quando acusou Sócrates e o governo de Guterres de terem "fugido". Ainda se lembram do "Eu Fico" nos outdoors da campanha para a Câmara de Lisboa? Parece-me que uma fuga para o governo deixou por outras mãos o lugar de vereador...

O Santana perdeu as estribeiras com a bomba que Louçã mandou para cima da mesa relativa às isenções fiscais à banca. Nem o telefonema no intervalo o safou. Se o coitado já estava de luto, então aí é que se acentuou o ar cavernoso e desnorteado.

JB

Debate

Partamos da seguinte premissa: nenhum debate é decisivo. Já tinha, aliás, defendido esta ideia no post dedicado ao debate Santana-Sócrates. Mas lá por não ser decisivo não deixa de poder ser divertido. E, confesso que o de ontem deixou-me bastante bem disposto. Em primeiro lugar, pelo caricato episódio do afónico Jerónimo - nem nos seus piores pesadelos um político pode imaginar uma cena destas. Em segundo lugar, porque houve, de facto, trocas de palavras cómicas. Por fim, porque o meu candidato preferido não se saiu mal, esteve bem mais solto que noutros debates ou entrevistas e terá que ser considerado como um dos beneficiados (vencedores ou derrotados só no dia 20) do show de ontem. Mas vamos lá a uma análise figura a figura:

Santana: a escolha da gravata não o favoreceu. Pareceu triste, sem aquela chama de guerreiro que é suposta ser a sua imagem de marca. Reagiu tarde de mais às acusações que lhe foram feitas e não foi convincente na demonstração do famoso acordo secreto entre PS e BE. Ah, já me ia esquecendo dos seus belos gráficos, a tracejado cinzento que eram perfeitamente invisíveis pelos telespectadores.

Sócrates: começou um pouco nervoso, naquele seu estilo contraído e algo vago que lhe é característico. Depois, com o ataque de Louçã ao governo a propósito do perdão fiscal aos bancos, passou a estar mais bem disposto. Esteve vivo em resposta a Portas - dizendo que o ouvia sempre mas nem sempre com prazer- ou a Santana - quando comparou o governo a uma sociedade anónima ou por quotas consoante a apreciação do parceiro de coligação. Safou-se bem na defesa da esfera pública em relação à Saúde. Marcou alguns pontos na declaração final. A explicação das ideias socialistas para o futuro da Segurança social não foram muito convincentes.

Portas: começou bem, no seu registo eu sou um homem de Estado, os meus ministros eram competentes, não tenho nada a ver com o Santana. Depois, deixou-se picar pelo Louçã e enervou-se. O seu delírio de matemática eleitoral segundo o qual com mais 1% o PP elegeria mais 8 deputados e todos eles roubados ao PS é digno de constar num manual de Matemática do secundário como exemplo de como não se fazem contas. Deixou a porta aberta ao PS, apunhalando o amigo Santana em directo. Declaração final sofrível. A sua campanha tem sido bem melhor que o seu desempenho de ontem à noite.

Louçã: esteve em grande. Ao lançar a história dos bancos para a fogueira, ganhou o protagonismo do debate. Piscou o olho ao PS, não o atacando demasiado e apresentando-se como força de esquerda responsável. Teve muita piada quando se referiu às belas declarações de Telmo Correia que o acusavam de incentivo ao consumo de droga. A solução para o défice futuro da Segurança social, referindo que seria suprido pelo recurso a montantes vindos directamente dos impostos não parece muito conciliável com o saneamento das despesas públicas. Soube conter o seu ar moralista radical que algumas vezes revela. Pareceu-me o mais beneficiado.

Jerónimo: palavras para quê?


TS

Mestre da Guitarra Portuguesa



Carlos paredes nasceu a 16 de Fevereiro de 1925. Faria hoje 80 anos.
Coimbra, cidade que o viu nascer, presta-lhe hoje uma merecida homenagem.
Nós, por aqui, também!

JB

terça-feira, fevereiro 15, 2005

Avec le temps...

Avec le temps...
avec le temps, va, tout s'en va
on oublie le visage et l'on oublie la voix
le cœur, quand ça bat plus, c'est pas la peine d'aller
chercher plus loin, faut laisser faire et c'est très bien

avec le temps...
avec le temps, va, tout s'en va
l'autre qu'on adorait, qu'on cherchait sous la pluie
l'autre qu'on devinait au détour d'un regard
entre les mots, entre les lignes et sous le fard
d'un serment maquillé qui s'en va faire sa nuit
avec le temps tout s'évanouit

avec le temps...
avec le temps, va, tout s'en va
mêm' les plus chouett's souv'nirs ça t'as un' de ces gueules
à la gal'rie j'farfouille dans les rayons d'la mort
le samedi soir quand la tendresse s'en va tout' seule

avec le temps...
avec le temps, va, tout s'en va
l'autre à qui l'on croyait pour un rhume, pour un rien
l'autre à qui l'on donnait du vent et des bijoux
pour qui l'on eût vendu son âme pour quelques sous
devant quoi l'on s'traînait comme traînent les chiens
avec le temps, va, tout va bien

avec le temps...
avec le temps, va, tout s'en va
on oublie les passions et l'on oublie les voix
qui vous disaient tout bas les mots des pauvres gens
ne rentre pas trop tard, surtout ne prends pas froid

avec le temps...
avec le temps, va, tout s'en va
et l'on se sent blanchi comme un cheval fourbu
et l'on se sent glacé dans un lit de hasard
et l'on se sent tout seul peut-être mais peinard
et l'on se sent floué par les années perdues- alors vraiment
avec le temps on n'aime plus

( Léo Ferré)


TS

Uma vítima do sistema

Isto é mau demais para ser verdade! Temos o menino-guerreiro a chorar baba e ranho na caixa de correio dos portugueses queixando-se de maus-tratos!

"Caro(a) Amigo(a),
Não pare de ler esta carta.
Se o fizer, fará o mesmo que o Presidente da República fez a Portugal, ao interromper um conjunto de medidas que beneficiavam os portugueses e as portuguesas.
Portugal precisa do seu voto para fazer justiça. Só com o seu voto será possível prosseguir as políticas que favorecem os que menos ganham e que exigem mais dos que mais têm e mais recebem.
Você não costuma votar, e não é por acaso.
Afastou-se pelas mesmas razões que eles nos querem afastar. E quem são eles? Alguns poderosos a quem interessa que tudo fique na mesma. Incluindo a velha maneira de fazer política.
Eles acham que eu sou de fora do sistema que eles querem manter. Já pensou bem nisso? Provavelmente nós temos algo em comum: não nos damos bem com este sistema.
Tenho defeitos como todos os seres humanos, mas conhece algum político em Portugal que eles Tratem tão mal como a mim?
Também o tratam mal a si. Já somos vários.
Ajude-me a fazer-lhes frente. Desta vez, venha votar. É um favor que lhe peço!
Por todos nós,
Pedro Santana Lopes "

Não sei ele já ouviu falar na APAV, mas seria importante encaminharem-no para lá...

JB

Um descontexto pessoal

No dia 15 de Fevereiro de 1920, milhares de coisas importantes deverão ter acontecido por esse mundo fora. Mas houve uma que merece ser lembrada. O nascimento de alguém muito especial e que completa hoje 85 anos. Parabéns avô!

JB

Nau Catrineta

Lá vem a Nau Catrineta
Que tem muito que contar
São Paulo Portas à Proa
Santanás a comandar
Ouvi agora senhores uma história de pasmar

D. Bagão conta o pilim
D. Morais trata das velas
D. Guedes limpa com VIM
tachos pratos e panelas
D. Pereira na enfermaria
conta pensos e emplastros
E o D. António Mexia
põe vaselina nos mastros

Andava a nau bolinando
Tejo abaixo sem destino
D. Santanás besuntando
seu ralo cabelo fino
D. Portas mudo e calado
olhos fixos no além
espera nervoso e sentado
por notícias de Belém

E eis que então de repente
sol a pino, era meio-dia
D. Santanás pára o pente
e berra para o vigia
Sobe à gávea meu marujo
sei que a borrasca me aguarda
e como à sina não fujo
então que venha a bernarda

Vê se topas de luneta
quem me quer fazer a cama
além desse El-Rei da treta
os autores de toda a trama
embora p'ra ser sincero
eu já os conheça bem
desde o Mendes ao Marcelo
e ao candidato a Belém

E ainda a Manuela
e o filho de uma rameira
que deitava p'la janela
o DVD do Vieira
foram muitos os traidores
devia ter estado a pau
malditos conspiradores
contra o comando da Nau

Da parte que toca a nós
sempre vos fomos leais
nunca criámos torós
borrascas ou temporais
Digo eu, D. Paulo Portas
e é a verdade acabada
se as coisas sairam tortas
foi a laranja a culpada

Cale-se lá um bocado
que isso é conversa fiada
Marujo: estás tão calado

ainda não viste nada?

Meu Capitão, vejo sim
vejo El-Rei muito animado
com os homens do pilim
e D. Soares a seu lado
e também o D. Aníbal
e ainda o Cardeal
perguntando se é possível
fazerem-lhe o funeral

autor desconhecido,
agradecimentos do descontextos ao FF por este envio matinal

CA

segunda-feira, fevereiro 14, 2005

Irmã Lúcia e os aproveitamentos politicos

Sou católica e Fátima e o seu Santuário até têm um grande simbolismo para mim. Mas interpreto a Fé de uma maneira muito pessoal o que leva a que não seja aquilo a que se convencionou chamar uma "católica praticante".
Ontem, associei a esta relativa distância a minha estupefacção e incompreensão pela suspensão da campanha dos partidos de direita.
Mas hoje, ao ouvir as palavras do antigo Bispo de Setúbal, D. Manuel Martins, percebi que até não estava a cometer nenhuma heresia.

JB

merecemos

É bom receber flores.
Destas.
Porque não morrem.
CA

domingo, fevereiro 13, 2005

o General sem Medo

Humberto Delgado (15 de Maio 1906-13 de Fevereiro 1965)

A liberdade é sempre maior que a cobardia.

CA

sábado, fevereiro 12, 2005

E saíu-lhe o tiro pela culatra...

Luís Nobre Guedes apelou na semana passada a um levantamento popular em Coimbra que impedisse Sócrates de lá entrar. Até quem não ouviu a entrevista dada à Rádio de Oliveira do Hospital pode ver o apelo transcrito em todos os jornais. Passou bem a mensagem, portanto!

Mas o que aconteceu? José Sócrates foi hoje a Coimbra e tinha um banho de multidão à sua espera! Não para o apupar como pedia o candidato do CDS-PP, mas para lhe demonstrar apoio.

A verdade é que, em Coimbra, Nobre Guedes não dá lições! Aliás, como se pode comprovar pelos cartazes do CDS-PP espalhados pela cidade onde se lê "O voto útil para chumbar a co-inceneração".

JB

sexta-feira, fevereiro 11, 2005

A dependência congénita

1. O Independente, agarrado às suas inquebráveis amarras ideológicas (que o tornam, por sinal, um jornal impossível de ler!) diz na sua edição de hoje que a Judiciária tem "fortes indícios" - as aspas são deles - de um favorecimento de Sócrates à Freeport em troca de financiamento partidário. O País entrou em polvorosa e não se falou de outra coisa.

2. A Procuradoria-Geral da República (PGR) veio dizer, em comunicado, que "tanto quanto os elementos indiciários reunidos até ao momento permitem avaliar, não existe nenhuma suspeita de cometimento por parte do engenheiro José Sócrates de qualquer ilícito criminal com o aludido processo de licenciamento" do Freeport de Alcochete.

3. A Polícia Judiciária também em comunicado, desmente, logo de seguida, que haja quaisquer indícios contra José Sócrates.

Perante tudo isto, ainda me questiono como é que este pasquim consegue fidelizar leitores...

JB

ínsula

Quando dói a distância da ilha.
Das ilhas de Nemésio, de Antero.
Das ilhas do Rui, do Zeca, da Judite, do João.
Quando falta à pele o gosto a maresia.
Quando falta à alma o som dos romeiros.
Quando falta aos olhos o cheiro do enxofre.
Quando falta tanto, é bom saber que há quem se lembra.
CA

vende-se

Está prestes a terminar o leilão de camisolas promovido pela Federação Portuguesa de Futebol.

Depois do fantástico jogo se calhar não era das camisolas que nos deveríamos livrar...

De qualquer forma, espero que o pequeno Martunis receba mesmo uns trocados, que mais não seja por ter tido o bom-senso de escolher a camisola da selecção e não esta


CA

sombras

hoje está um dia particularmente sombrio.
há muito nevoeiro, chuva também, q.b..

ao nevoeiro e à chuva juntam-se as outras sombras, as da distância e da ausência.

hoje não quero exorcizar fantasmas do passado.
hoje quero apenas um vento muito forte.
um vento imenso para afastar as nuvens e as sombras.

"ficas sempre pouco tempo" dizem-me eles
"pois fico" respondo "é para não se habituarem à minha presença"

CA

olé!

De facto com o tempo a coisa compõe-se!
Na mesma semana começámos a usar a imagem e conseguimos (finalmente) colocar aqui (do lado direito) "outros contextos".
Blogs de amigos, de conhecidos, de desconhecidos. Blogs que vamos linkando, todos os dias ou de quando em vez.
Para os que já dominam a blogo-técnica "isto" de formatar e desformatar um qualquer descontexto é coisa pouca. Para nós (reduzidos que estamos a 50% da massa crítica) foi uma vitória.
Saúde!
Ao regresso dos outros 50% e a uma merecida happy hour para os que por cá ficaram.
CA

Muito actual!!

"Para que vieste
Na minha janela
Meter o nariz?
Se foi por um verso
Não sou mais poeta
Ando tão feliz!
Se é para uma prosa
Não sou Anchieta
Nem venho de Assis.
Deixa-te de histórias
Some-te daqui!"

A Um Passarinho de Vinícius de Moraes

JB

Pois é...

"Alguém ouviu alguém, nesta pré-campanha, falar da construção europeia, da Constituição que nos vai reger, dos desafios novos que nos coloca a alargamento a 25?"
António Mega Ferreira, "Visão", 10.02.2005

JB

quinta-feira, fevereiro 10, 2005

Partidas

"Mas quem não parte não regressa
se morrermos na despedida
Deus, no regresso
dar-nos-à vida."
Eugénio Tavares

JB

les hommes

- Les hommes, dit le petit prince, ils s'enfournent dans les rapides, mais ils ne savent plus ce qu'ils cherchent. Alors ils s'agitent et tournent en rond....

Et il ajouta:

- Ce n'est pas la peine ...


Le Petit Prince, Antoine de Saint-Exupéry

CA

Agendar



Vamos ter casório a 8 de Abril no Castelo de Windsor. Muito bem! A gente gosta é de festas e de histórias de amor bem sucedidas!

JB

Isto não se faz a uma Senhora, Pedro!!

Simone Oliveira diz-se enganada pelo PSD
A cantora Simone de Oliveira abandonou ontem o jantar de Pedro Santana Lopes com personalidades da cultura, alegando que só aceitou ir a esse encontro porque lhe tinha sido ocultada a sua verdadeira natureza.
"Quando me convidaram, disseram que era um jantar para falar da cultura. Mas nunca me disseram que era um jantar de campanha. Se eu soubesse isso, é claro que não ia. Toda a gente sabe que eu voto no PS, até faço parte da comissão de honra", disse a artista ao DN.
Simone de Oliveira, que hoje vai filmar um video de apoio a Sócrates, conta que já estava a chegar ao jantar quando recebeu um telefonema do PS, alertando-a de que, segundo uma notícia "em primeira mão" do Portugal Diário, ela apoiava Santana.O PSD, no entando desmente a versão da cantora. Segundo fonte oficial do partido, o convite para o jantar foi feito à agente da artista, tendo ficado claro que era um jantar com personalidades da cultura em que estaria Santana como líder do PSD.
Diário de notícias, 10.02.2005

JB

Irlanda - 1 / Portugal - nulo

O jogo de ontem foi uma tristeza... Portugal conseguiu passar 90' em campo sem concretizar qualquer jogada digna de uma equipa que esteve na final do Europeu.

Com jogos destes só podemos pedir uma de duas coisas:
- Que o Scolari se abstenha de gastar tanto dinheiro em deslocações de uma equipa que vai para particulares sem vontade de jogar;
- Que a RTP não perca tempo a passar jogos destes. Sempre é melhor ver o Telejornal e as peripécias eleitorais...

JB

quarta-feira, fevereiro 09, 2005

uma questão de mensagem

desculpem lá amigos ... mas a 11 dias das eleições isto não me parece coisa que se apresente no vosso site...


por uma questão de mensagem, ou de imagem, nós por cá sugerimos um "Vote em breve"

post-scriptum1: aposto que o simpático que nos explicou isto de colocar fotografias nos blogs já se arrependeu. É a vida!
post-scriptum2: este post era uma singela crítica positiva, ok?

CA

E a alegria voltou às feiras e mercados!

Estou contente por saber que recuperámos nesta campanha o Paulinho das Feiras: "Em democracia, o soberano é o povo e quem não está com ele é melhor mudar de ramo". Muito bem!

JB

achas para a fogueira

Pois é, parece que este blog se está a tornar um desfiar de recordações de infância.
Pois é, parece que não faziamos mais nada a não ser ver televisão.
Ele era a Candy Candy (mas essa não é do meu departamento)

Ele era esta


E mais estes

(não me digam que não adoravam Bana e Flapi)

E este (eu bem que dizia que havia um japonês qualquer antes do Dragon Ball)


E mais estes


E esta


Pronto. Já chega. Não vou falar do ursinho Jackie, nem do Willy Fog, nem do Marco, nem da Heidi, nem do Dartacão, nem sequer do Vasco Granja.
Com este post encerro o meu capítulo dos desenhos animados.
CA

Candy Candy



Acabei de descobrir que há por aí gente que, como eu, ainda se lembra...

JB

O que vale é que é Carnaval, ninguém leva a mal!

Jardim defendeu ontem que uma aposta de Cavaco Silva numa maioria absoluta do PS seria motivo para que o ex-primeiro-ministro fosse expulso do PSD. "Penso que é causa de expulsão do partido", afirmou Jardim à agência Lusa.
"O professor Cavaco quando primeiro-ministro - e eu alertei sempre o PSD para isso - deixou a educação na mão da esquerda, deixou as forças de segurança permeabilizadas pela esquerda, deixou a justiça politizada e deixou a comunicação social nas mãos da esquerda, portanto, isso, para mim, não é novidade", afirmou.
"O professor Cavaco e o professor Freitas são duas faces da mesma moeda e essa moeda pertence ao Portugal velho, pertence à brigada do reumático desta III República e o que eles temem, no fundo, é uma mudança", disse ainda.
"Agora faço votos que o PSD não se esqueça de o recandidatar à Presidência da República", ironizou Alberto João Jardim, que falava no Funchal, à margem do tradicional cortejo de Carnaval.
Público, 09/02/2005

JB

pausa para o Chá

Quente, com ou sem torradas, às cinco ou quando apetecer, um puro prazer.
CA

terça-feira, fevereiro 08, 2005

Pequeno descontexto...

Hoje, vá-se lá saber porquê, lembrei-me do "Pratas".

Longe de Coimbra e, até, da existência física da "nossa" tasca, recordei o odor, a concertina, o ambiente... só faltou mesmo o traçadinho, o pessoal da Estudantina e o coelho estufado da D. Ana! E a manif "pró Pratas" na Porta Férrea, já agora!

Parece que foi ontem e, no entanto, já tudo acabou...

JB




ao dia que não tive

Just a perfect day,
Drink Sangria in the park,
And then later, when it gets dark,
We go home.
Just a perfect day,
Feed animals in the zoo
Then later, a movie, too,
And then home.

Oh it's such a perfect day,
I'm glad I spent it with you.
Oh such a perfect day,
You just keep me hanging on,
You just keep me hanging on.

Just a perfect day,
Problems all left alone,
Weekenders on our own.
It's such fun.
Just a perfect day,
You made me forget myself.
I thought I was someone else,
Someone good.

Perfect Day, Lou Reed,Transformer (1972)

CA

8 de Fevereiro de 1828



Pela mão de Júlio Verne, tendo o meu avô como guia, conheci a Ilha Misteriosa, fiz Viagem ao Centro da Terra e participei nA Invasão do Mar.
Recordo hoje, os dois, pelas infinitas aventuras que com eles vivi.
Com a saudade imensa da infância que gostava de repetir.
CA

Será desta?

Chegam boas notícias do Médio Oriente. Sharon e Abbas estão dispostos a parar com as hostilidades. Esperemos que não passe tudo de um processo de intenções.

JB

Excursões

"Foi um grande comício que, tal é a crença na nossa vitória, mobilizou gente de outras terras o que muita alegria me deu. Se restavam dúvidas, estamos conversados… Que grande surpresa vai ter o PS no dia 20."
Pedro Santana Lopes sobre o comício em Castelo Branco.

Deve estar a referir-se aqueles militantes que acorreram de todo o país, levados em autocarros patrocinados pelas concelhias e aliciados com uma patuscada gratuita.

Parece estar a tornar-se prática comum nos partidos arregimentar militantes e simpatizantes para excursões que culminam num comício.

Lembra aqueles famosos passeios que acabam num qualquer hotel com demonstrações de colchões topo de gama, vendidos a prestações...

JB

Haja paciência...

Já amanhece mais cedo por terras do Norte da Europa. O que cria alguns problemas.
Há uma dita ave que nos últimos dias insiste em exercitar os seus dotes vocais na varanda do meu quarto.

Eu até gosto de passarinhos mas uma sinfonia todos os dias às 6h da manhã, não é propriamente agradável.

Não é mania da perseguição mas, se não é sempre o mesmo, é, pelo menos, da mesma família... e digo isto porque já me dei ao trabalho de me levantar para o insultar, mas ele não se sente intimidado. Volta sempre. Que chatice!

JB

segunda-feira, fevereiro 07, 2005

Trespasse previsto a 20/02


não-conversa

Há pessoas com quem as conversas são como cerejas.
Há pessoas com quem gostaria de falar e não falo.
Há pessoas com que não gostaria de falar e falo.
Mas há pessoas a quem, simplesmente, já disse tudo o que havia para dizer.
A estas imponho o meu direito à não-conversa e o respeito pelo meu silêncio.

CA

Zanzibar


Hosted by Photobucket.com


Finalmente deu-se o choque tecnológico no nosso descontexto!
A prova é este maravilhoso mar em que mergulhei em 2003.
Obrigada ao MBF pela ajuda.

JB

Direito de escolha

O Mar adentro não é apenas um bom filme, com Javier Bardem a fazer um papel irrepreensível. É baseado numa história real, no drama vivido por um tetraplégico preso à cama durante 27 anos.

A eutanásia é matéria que suscita muita polémica mas, a luta deste homem lúcido e inteligente pelo direito a uma morte digna (já que a vida não lhe deu essa benesse) poderá ajudar certas consciências a olhar o problema de frente.

JB




20 de Fevereiro

No mesmo dia em que vamos a votos em Portugal, Espanha faz um referendo à Constituição Europeia. Será o primeiro país da União a fazê-lo.
Segundo o Eurobarómetro de 28 de Janeiro, 56% dos espanhóis estão a favor do texto, mas o problema poderá ser a abstenção.
Os principais partidos defendem o Sim. Cabe-lhes agora mobilizar os cidadãos. Para que Espanha dê o exemplo da verdadeira cidadania europeia.

JB

Venha o Choque de Valores

"Mobilização geral, todos ao Palácio de Cristal" foi o mote dado por Paulo Portas no seu Blog na passada sexta-feira. Exagerou. Chamou também os carteiristas que foram a terreiro mostrar a sua arte. Seis assaltos durante o comício onde Portas falava de segurança...
JB

coisas de hinos

Ontem, antes do Telejornal, entre um zaping e outro, pareceu-me (seria uma ilusão auditiva?) que dois partidos políticos (diferentes?) têm a mesma intérprete para os seus hinos.

E eu que gostava tanto daquela do "peguei trinquei e meti-te na cesta"...

Alguém me pode esclarecer se é verdade ou se tive apenas um flash auricular?

CA

saravá

É segunda-feira e a coisa não está a correr no melhor dos mundos.
Perdi o autocarro. A net recusa-me o acesso aos jornais. As cartas da Maya não são animadoras.
A juntar a isto tudo e aos -3.5° de gelo descobri que andei por aí a alimentar Malentendidos.
Ora bolas, ora bolas, ora bolas (espero que ao repetir isto três vezes fique claro que me estou a auto-flagelar)! Gostei do saravá, gostei mesmo muito. E não, não levei a coisa nem a peito nem a mal! A prosa teve piada e a alegria foi mesmo sentida.
Mea culpa.
Ouso, em jeito de súplica, desejar que o sorriso deixe de ser amargo.
CA

domingo, fevereiro 06, 2005

Até sempre

Perdi um amigo. Tinha 30 anos. Foi colhido pela droga...
A distância afastou-nos um pouco e não acompanhei a descida ao inferno. Não sei o que um tenista excelente encontrou na droga para se deixar seduzir.
Há pouco tempo veio pedir-me dinheiro. Estranhei mas emprestei. Senti-o ansioso. Só no dia seguinte percebi. No supermercado, o meu amigo estava a roubar... Não me reconheceu e suspirei de alívio. O gerente foi alertado e veio ter com ele. Mas não o humilhou. Deu-lhe um abraço, levou-o para um sítio discreto e recuperou o que ele tinha escondido nos bolsos. Sensibilizou-me o gesto.
Agora, já não resta nada... uma overdose roubou-lhe a vida e privou-me de um amigo.
JB

sexta-feira, fevereiro 04, 2005

arrumação

O Jorge voltou e resolvi dar uma oportunidade ao Rodrigo.
Agora vamos lá ver se eles estão disponíveis para ajudar a arrumar o caos provocado pelos romenos.
Volto segunda, com a casa arrumada.

CA

eu blogo

Perguntaram-me se este seria um blog de "má língua".
Respondi que não, que era um blog para exorcizar alguns fantasmas.
Começo é a assustar-me com a quantidade de fantasmas que ainda tenho que exorcizar.

CA

...

"Arrumar a vida, pôr prateleiras na vontade e na acção.
Quero fazer isto agora, como sempre quis, com o mesmo resultado;
Mas que bom ter o propósito claro, firme só na clareza, de fazer qualquer coisa! (...)"
Reticências, Álvaro de Campos

JB

Ler sem ver

Acaba por ser divertido ler as análises dos matutinos de hoje sobre o debate entre Sócrates e Santana. Esta experiência torna-se ainda mais divertida quando não se viu o debate em causa. Há análises para todos os gostos: Santana ganhou, Sócrates foi mais forte, empataram, o debate foi fracote...
Bom, eu que esperava poder surver a essência do show mediático através da leitura de páginas e páginas escritas por insuspeitos jornalistas, confesso alguma frustração. Uma frustração algo semelhante àquela que sucede aquando da leitura dos jornais desportivos nos dias seguintes a jogos que não pude ver. A equipa X foi superior mas não materializou o seu domínio, a equipa Z defendeu-se bem e soube atacar o seu adversário no melhor momento, o árbitro influenciou o resultado final, o árbitro esteve em bom nível se exceptuarmos alguns erros técnicos, etc... As balelas habituais que servem para respeitar as diferentes sensibilidades clubísticas dos simpatizantes dos três grandes, sempre propensos a comprar o jornal da sua "cor". Só que o futebol tem uma vantagem: o resultado final. Por muitas análises e contra-análises que se possam ler o que fica mesmo é o resultado. O debate de ontem nunca terá resultado final, nem mesmo a 20 de Fevereiro. Não acredito que, ganhe quem ganhar, com ou sem maioria absoluta, o resultado se fique a dever ao debate de ontem.
PS - Não consigo compreender como é que num debate deste tipo não se discute uma única vez as questões europeias. Será mais fácil debater o acessório que o essencial?
TS

novos talentos

Ando em buscas no google para encontrar o novo talento da astrologia, a mulher que ontem, embora sem bola de cristal, se revelou ao país e nos deixou ao rubro com a oportunidade dos seus comentários. Aquele debate merecia uma comentadora assim!
Dão-se alvíssaras a quem conseguir dar-me conta do seu paradeiro.
CA

liberdade de expressão

Pois, com um título destes até achavam que eu ia escrever sobre o debate de ontem, né?

Enganam-se.

Esta é em protesto contra pessoa desconhecida.

Olha pá, hoje levas um contigo-não-blogo-coisa-nenhuma.
E, já agora, adorável era mesmo o cinismo, ok?

CA

blogo-nota-de-rodapé:
caros outros 3 descontextuados, parece-me que depois desta troca de mimos vamos perder o link, sorry!

Malaca...

A alegria da malaia por conhecer portugueses naquele decrépito autocarro entre Singapura e a Malásia. Malaca... até à “Portuguese Street“, onde fez questão de nos levar para ver os seus vizinhos e as crianças que têm aulas de português uma vez por semana. O orgulho de carregar um apelido dos nossos.

O Vitor da Costa e o seu restaurante com uma ementa confundível com a de um qualquer restaurante de Lisboa.

O São Pedro como feriado municipal... A estátua do Padre António Vieira .. A bandeira portuguesa hasteada no meio do rio ... tanta orgulho num passado ligado a Portugal!!

Ternura é o que se pode sentir por aquela gente. E já agora saudade, que eles também sabem o que é!

Saudade de quem foi comigo e de quem trouxe no coração...

JB

quinta-feira, fevereiro 03, 2005

Democrata? Claro!!

Numa entrevista à Rádio Boa Nova (Oliveira do Hospital), Nobre Guedes, depois de acusar José Sócrates de "obstinado e teimoso" por recusar as alternativas ao processo de co-incineração, concluiu com esta pérola:

"Eu acho que Coimbra devia sair à rua e este senhor não devia cá entrar".

Comentários para quê? A campanha no seu melhor!

JB

Casais em alerta

Porque esta semana parece ser a semana dos casais destroçados...
Oiçam a voz da fabulosa Bethânia (não confundir com outros fabulosos que por aí polulam...) a cantar este poema de Gonzaga Jr.

Grito de alerta

Primeiro você me azucrina
Me entorta a cabeça
Me bota na boca
Um gosto amargo de fel
Depois vem chorando desculpas
Assim meio pedindo
Querendo ganhar um bocado de mel
Não vê que então eu me rasgo
Me engasgo, engulo, reflito e estendo a mão
E assim nossa vida é um rio secando
As pedras cortando
E eu vou perguntando, até quando
São tantas coisinhas miúdas
Roendo, comendo
Arrasando aos poucos com o nosso ideal
São frases perdidas
Num mundo de gritos e gestos
Num jogo de culpa que faz tanto mal
Não quero a razão pois eu sei
O quanto estou errada
O quando já fiz destruir
Só sinto no ar
O momento em que o copo está cheio
E que já não dá mais pra engolir

Veja bem nosso caso é uma porta entre aberta
Eu busquei a palavra mais certa
Vê se entende o meu grito de alerta
Veja bem é o amor agitando meu coração
Há um lado carente dizendo que sim
E essa vida da gente gritando que não.


Album Mel - Polygram - 1979


TS

não há duas sem três

pronto, pronto....
afinal este e este também já linkaram o descontextos por isso mercem este post-ranhoso-antes-do-almoço.
Outra conversas ficam para depois do dia 20.
CA

diz com textos ...

... ou alegrias de principiante

O Technorati acaba de me informar que estes descontextos foram linkados nos VIP do meu blog-de-leitura-diária-obrigatória.
Não há nada como me passarem a mão pelo pêlo, logo pela manhã.
Blogo-beijos do Primo até ao Cesto, com paragens obrigatórias no adorável cinismo do Quinto e nos sonhos do Quarto.

CA

coisas do calendário

Virei agora a página do calendário, apesar de ser Fevereiro há já 3 dias.
O mar revolto deu lugar à montanha, coberta de nuvens.
Espero que este mês a montanha não vá parir nenhum rato.

CA

Geórgia

Li agora que o Primeiro-ministro da Geórgia, Zurab Zhvania, e um amigo foram encontrados mortos e tudo indica que tenha sido por envenenamento com gás.

Veio-me à memória o suposto envenenamento de Viktor Yushchenko e o estado em que ficou a sua cara.

Não, é capaz de não ter nada a ver! Deve ter sido concerteza uma fuga acidental!

JB

quarta-feira, fevereiro 02, 2005

a carraça

Hoje encontrei uma pessoa que foi mordida por uma carraça infectada.
Agora já sei o perigo que representa uma carraça infectada à saúde humana.
Sinto que a minha cultura aumentou exponencialmente.

CA

JCB vs PSL

José Castelo Branco, vencedor do programa televisivo que teve o maior "share" na noite de passagem de ano e, simultaneamente, figura consagrada do hilariante Jet Set português, escreve hoje um artigo de opinião digno de ser citado.

Referindo-se a Pedro Santana Lopes escreve "Mas sem serenidade está na verdade o nosso primeiro-ministro que ousa largar obscenidades para mais votos ganhar. No mesmo periódico (Público) vi o relato, fantasmagórico, de alguém que perdendo pontos penetrou no meio de mil patorrines e, sem destino, desencontrado do óvulo assinalado, insulta destemido o outro candidato, Sócrates. Por este defender, ou não, a classe dos oprimidos da sociedade - homossexuais. Indignado fiquei, não pela "homofobia", ou não, do senhor Lopes e até gargalhei por este ter sido o único "macho" a reunir num só governo coloridos, ou não, assumidos..."

Tentando abstrair do português utilizado, lembro-me de repente que esta "Vossa Majestade" (é assim que o José Castelo Branco assina) veio em tempos a público apoiar o actual Primeiro-Ministro e, até a sua mulher, a Lady qualquer coisa, participou no mega jantar de apoio a PSL. Segundo as más-línguas, com direito a cachet, mas isso pouco importa.

O que é realmente grave é que, com o espaço de antena que esta figura proeminente da sociedade portuguesa tem na comunicação social e a influência que exerce sobre uma certa parte do povo português, o PSD terá aqui um berbicacho muito mais grave de suplantar que o apoio do Professor Freitas do Amaral ao PS!
JB

antecipação de fim-de-semana

Facto: voltei a ter música em casa.
Evidência: desprezo soluções de recurso.
Constatação: tenho mesmo de comprar uma aparelhagem nova.

CA

sede

Dás-me sede. O problema é mesmo acordar na manhã seguinte.

CA

descontexto linguístico

No autocarro entraram pai e filho e falaram animadamente durante uns dez minutos sobre banalidades: o dia na escola, as obras em casa, os brinquedos novos.
São bonitas as conversas, quando a linguagem é a mesma. Sobretudo se se falam línguas diferentes. O pai falava em Inglês e o puto em Francês. E entendiam-se. Perfeitamente. E notava-se que cada um se exprimia na sua língua materna.
Depois, o puto tenta convencer o pai a deixá-lo fazer não sei o quê e o pai recusa. Aí trocaram de língua, o puto usa a sua capacidade de persuasão em Inglês e o pai a sua capacidade de dissuasão em Francês.
Às vezes trocamos os papéis, mudamos a linguagem, para chegarmos mais perto do outro. Não sei se o puto conseguiu convencer o pai. Gostava de saber.

CA

avisas sempre

Avisas sempre antes de chegar.
Como se te desse gozo antecipar a minha angústia.
Não é preciso avisar, a sério.
Há portas que vão estar sempre abertas.

CA

terça-feira, fevereiro 01, 2005

Já não está cá quem falou...

Retiram-se as acusações pró-Candy dirigidas a CA.
Por falar em Candy, dei comigo a lembrar-me de outros desenhos animados da nossa infância. Lembram-se de " Belle e Sebastião"? Eu só quando passei a viver um ambiente francófono, compreendi que o bom do cão era afinal uma cadela chamada Belle... Foi o desmoronar do mito do masculino sensível. O príncipio do fim de um mundo...
Bem, como diria o B.Bastos: " foi uma história que achei importante contar-vos..."


TS

aviso à navegação

Que me tentem usurpar os direitos sobre o mau feitio ainda vá, que me acusem gostar da Candy Candy já é mais grave!

Resta-me pois, caro TS, recomendar-lhe a leitura do post Preconceitos (by JB), no passado domingo, e assim pode ser que deixe de descontextualizar sem sentido, ok?

CA

O mau humor e a Candy

Que linda quezília sobre o mau humor. Eu proponho (já que estamos em fase de campanha, logo de propostas) que todos aqueles que ao olhar pela janela agora, vejam o mesmo que eu, tenham direito a estarem desavindos com a vida. Tudo cinzento: prédios, céu (o tal que nos ideais de Platão era suposto ser azul...), pessoas, Sol (sim até este abandonou as suas cores típicas). Parece que lá ao fundo existe uma nesga de céu aberto. Desenganem-se, é mero efeito óptico. Nós, os que habitamos estas terras do "berdadeiro Norte", bem sabemos que as nuvens acabam sempre por ocupar o espaço vazio do céu. Deve ser o famoso príncipio segundo o qual a Natureza tem horror do vazio. Azar o nosso, aqui são as nuvens que padecem desse mal...
Não posso é estar de acordo com CA quando nos vem recomendar a Candy. Eu detestava a Candy. Desejava era que as "Maravilhosas Cidades de Ouro" ou o nosso amigo "Dartacão" chegassem depressa ao écran para expulsar a Candy. Tal ódio, confesso, era apenas ultrapassado pelo sentimento de quase desespero que o "70X7" e o "TV Rural" com o seu engenheiro não sei quantos me provocavam. Ai, ai, os belos anos oitenta...
TS

direitos de autor

Foi com sincera preocupação (aliás as minhas preocupações são, em regra, sinceras. Podem ser desnecessárias, exageradas ou antecipadas, mas são sinceras e legítimas, pelo menos para mim) que li o último post made by JB.

De facto há dias assim, para uns mais que para outros, é certo. Agora que venha JB tentar bater-me em termos de mau feitio é que me preocupa. Quem vai descontextualizando connosco (e já são mais que muitos, veja-se a contagem de visitantes lá para o fim da página) sabe que os direitos de autor sobre o mau feitio estão registados e colectados chez moi.

Se calhar é tudo uma questão de colo, ou de sapatos or your just having a bad hair day.

Resta-nos esperar que haja muitos e bons "domingos no mundo" (não, não tive tempo de ir à procura da letra do Sérgio Godinho) e que acabe depressa a catequese para irmos todos ver a Candy Candy.
CA

Há dias em que mais vale...

Hoje estou mesmo com mau feitio. É daqueles dias em que tudo e todos me conseguem tirar do sério. Vá-se lá saber porquê...
O melhor é mesmo lembrar a música do João Monge (mas não a voz do Nuno Guerreiro, que era capaz de me deixar ainda mais irritada!) e acreditar na possibilidade de se tratar de um vírus passageiro.


Há dias
Em que não cabes na pele
Com que andas
Parece comprada em segunda mão
Um pouco curta nas mangas

Há dias
Em que cada passo é mais um
Castigo de Deus
Parece que os sapatos que vês
Enfiados nos pés
Nem sequer são os teus
(...)

JB

A Campanha chocante...

Depois da era dos choques (ver post mais abaixo), vem agora a campanha-choque. Fruto da inconsistência política e da falta de diversidade de ideias, os nossos candidatos a primeiro-ministro (e aqui a direita é sempre mais forte...) decidiram enveredar por ataques pessoais. Os portugueses já conheciam as telenovelas futebolísticas, nomeadamente os ataques que precedem um jogo importante. Agora deparam-se com um espectáculo em nada melhor e que, sinceramente, tende a convencer os eleitores a pura e simplesmente não irem votar.
Num momento de particular dificuldade para o país, é essencial não apresentar propostas demagógicas e impossíveis de cumprir. Mas é tanto ou mais essencial, mostrar a diversidade de programas pois o esbatimento das diferenças é o pior inimigo da democracia.
TS

on-line